• Dra. Andrea Pereira

Saúde Do Pulmão Exige Cuidados Além Do Não Fumar

Muito se ouve falar sobre os riscos do excesso de peso para o coração. Mas é bom lembrar que a obesidade também pode afetar o pulmão. “O pulmão é projetado para a pessoa de um certo peso. A hora em que coloca um peso superior, ele não vai crescer; está preso na caixa toráxica. Terá deficiência para conseguir oxigenar uma pessoa com peso superior”, ressalta a nutróloga Andrea Pereira, membro do Comitê Científico do Instituto Vencer o Câncer (IVOC). “Por isso, é comum ver obesos com dificuldades respiratórias. Há pessoas que precisam até usar oxigênio por causa da obesidade”.

O Dia Nacional de Combate ao Fumo, 29 de agosto, é fundamental para reforçar a importância de não fumar para garantir a saúde não só dos pulmões, mas de todo o organismo. Sabe-se que o tabagismo é fator de risco para diversas doenças – além do câncer de pulmão, que tem relação direta com o fumo.

A data também é importante para pensarmos o pulmão além das doenças e refletir como ter um pulmão saudável, considerando sobretudo a importância desse órgão responsável por nossa respiração.

Além do cigarro, o grande vilão do pulmão é a poluição, conforme explica o pneumologista José Rodrigues Pereira, do hospital BP Mirante. “O mundo inteiro está se voltando a essa questão da poluição, que afeta drasticamente a saúde, especialmente nas grandes cidades. É algo bem problemático, mas muitas pessoas não dão muita importância a isso”.

O médico cita um estudo da Universidade de São Paulo (USP), coordenado pelo médico patologista Paulo Saldiva, sobre o tema. O estudo envolveu questionário a familiares de pessoas que foram a óbito, análise anatomopatológica, avaliou o ofício da pessoa, local de moradia, carga tabágica. “O resultado foi que, em média, para cada 2 horas de ar que a gente respira, é como se fumasse um cigarro, só pelo fato de respirar o ar poluído”.

Para quem vive nas grandes cidades, como São Paulo, é difícil evitar estar em contato com a poluição do ar, mas há ações que diminuem os danos ao organismo. José Pereira recomenda, por exemplo, evitar fazer atividades físicas a céu aberto em grandes avenidas, principalmente em horários de pico. “Os principais poluidores atmosféricos são os veículos. O contato com avenidas de grande tráfico pode acentuar qualquer potencial de dano pulmonar”.

O pneumologista comenta que o fato de grandes avenidas disporem de ciclovias, leva muitas pessoas a esquecerem do risco de praticar atividades nesses locais. “Claro que a atividade física é uma prática saudável, mas tem hora e lugar para isso”. Entre os locais ele indica parques e academias.

O pulmão, como outros órgãos, também é bastante beneficiado pela prática de atividades físicas. José Pereira explica que toda atividade aeróbica é indicada nesse caso: esteira, caminhada com uma velocidade maior, bicicleta. “Elas ajudam no condicionamento do pulmão; fazem com que a pessoa utilize toda a amplitude da movimentação respiratória. Assim, tem tolerância maior às atividades mais extenuantes”, complementa.

Outro alerta do médico, um tema que tem sido bastante discutido, é a qualidade do ar dentro das casas: especialmente considerando o tabagismo passivo e o uso de fogão a lenha, que elimina no ar substâncias nocivas para o pulmão. “Em algumas regiões, especialmente com IDH mais baixo, ainda se usa bastante o combustível fóssil”.

Inverno, tempo de alerta

A umidade do ar mais baixa e a qualidade do ar pior por conta da diminuição das chuvas fazem do inverno uma estação mais complicada para as doenças respiratórias. José Pereira explica que nos consultórios dos pneumologistas se vê aumento das doenças infecciosas nessa época. Por isso, é tempo de redobrar os cuidados, evitar ambientes poluídos – seja na avenida com grande tráfico, ou em casa, evitando fumar ou conviver com fumante. Essas ações são essenciais para garantir a saúde do pulmão.

Obesidade também afeta o pulmão

Muito se ouve falar sobre os riscos do excesso de peso para o coração. Mas é bom lembrar que a obesidade também pode afetar o pulmão. “O pulmão é projetado para a pessoa de um certo peso. A hora em que coloca um peso superior, ele não vai crescer; está preso na caixa toráxica. Terá deficiência para conseguir oxigenar uma pessoa com peso superior”, ressalta a nutróloga Andrea Pereira, membro do Comitê Científico do Instituto Vencer o Câncer (IVOC). “Por isso, é comum ver obesos com dificuldades respiratórias. Há pessoas que precisam até usar oxigênio por causa da obesidade”.

A médica ressalta que a obesidade junto com o tabagismo provoca aumento de 30% no risco de câncer. Por isso, sua recomendação para um pulmão saudável, além de não fumar, é manter um peso saudável. “Uma dieta equilibrada aliada à prática de atividade física é importante para manter o organismo com saúde – e o pulmão também”, diz. “Com condicionamento físico é possível melhorar o funcionamento do pulmão, vai oxigenar melhor. Não precisa ser necessariamente corrida ou natação: pode ser dança, luta, desde que tenha parte aeróbica’.

Outra indicação de Andrea Pereira é trabalhar a massa muscular. Ela explica que os músculos respiratórios têm que estar fortalecidos para ajudar a garantir uma boa respiração.

Quanto à alimentação, a nutróloga recomenda um prato saudável com verduras, legumes e frutas: “Metade de verduras e legumes, um quarto de carboidrato e o restante proteína e grãos, usando produtos integrais”.

Fonte: https://www.vencerocancer.org.br