Home

 

Nutrição Hospitalar

julho 14, 2013 at 7:21 pm | blog, featured, portfolio, tratamentos



Muitas vezes, as pessoas não apresentam condições físicas de manter uma alimentação por boca. Ou muitas vezes, a pessoa até consegue comer, porém a quantidade é insuficiente para mantê-la saudável. Em alguns casos de cirurgia do sistema digestivo, estômago e intestino, a pessoa consegue comer adequadamente, porém o corpo não consegue absorver os nutrientes.

Nesses casos, é necessário iniciarmos uma nutrição por sonda, chamada enteral, ou por veia, parenteral. A nutrição por veia, de um modo geral, é uma nutrição por tempo limitado, onde há uma dieta especial que é administrada diretamente na veia do paciente, através de um cateter colocado pelo médico ou enfermagem nas veias do pescoço ou do braço.

Na maioria das vezes, usamos a nutrição através de sondas, que podem ser colocadas pelo nariz até o estômago ou intestino, ou diretamente no estômago e intestino (as stomias). Essa nutrição deve ser orientada adequadamente, para evitarmos quantidades de calorias e proteínas inadequadas, e as infecções.

Apesar de muitas famílias serem contra o uso das sondas, por acharem que machucam, isso não é verdade, não há queixa de dor por parte dos pacientes que usam as sondas.

No caso do uso crônico, as stomias, permitem que a pessoa trabalhe e faça a sua nutrição no período noturno, podendo ficar sob as roupas, sem serem vistas.

Logicamente, não há nutrição melhor que a comida do dia a dia, mas em situações especiais onde isso não é possível, não podemos deixar a pessoa se desnutrir e correr risco de vida por complicações e queda da imunidade.

Esse processo é médico, tanto a nutrição enteral quanto a parenteral são prescritas por um médico, devendo ser bem acompanhado e orientado para obter o melhor resultado possível e conseqüências e efeitos colaterais mínimos.

<< Voltar